T-grão renova contrato para investir por mais 20 anos

Alta tecnologia em operações e ações ambientais são referências no terminal, de alta produtividade

O T-Grão Cargo Terminal de Granéis iniciou em 1998 a exploração do Silo do Porto de Santos por meio de contrato de arrendamento, e, desde então, vem buscando implementar no mercado soluções de vanguarda para garantir lugar de destaque na movimentação de graneis de origem vegetal.

Nestes 20 anos, com mais de R$ 200 milhões de investimentos em infraestrutura moderna e de alto nível de automação industrial, a empresa vem se destacando nos últimos anos também pela preocupação ambiental e social junto à comunidade em que está inserida.

Mantendo anualmente um relevante target em seu orçamento, dedicando melhoramentos e novas soluções, fica evidente nos últimos anos a melhora na qualidade da prestação de seus serviços, instalações e redução de conflitos junto às autoridades e comunidade.

O T-Grão implementou projetos inovadores, que causaram grande impacto positivo diante aos anseios da sociedade em reduzir conflitos.

“Adotamos o sistema de armazenagem vertical, em silos, que além de ser a forma especializada para armazenagem de grãos, também dispensa a necessidade de equipamentos adicionais para escoar a carga, garantindo a total integridade com a preservação da granulometria e impossibilitando a contaminação da mesma por agentes externos (óleo, pneus, resíduos…). Também é a forma que menos gera particulado na atmosfera ao seu redor”, revela a diretoria da empresa, que está em sua segunda geração.

Visando solucionar o gargalo rodoviário na entrada da Cidade, o T-Grão foi a primeira empresa do porto a criar uma logística de retaguarda fora da Baixada Santista, possibilitando a correção do fluxo rodoviário com o represamento dos caminhões em Sumaré, SP. “Fomos o primeiro operador santista a atingir mais de 98% de assertividade nos agendamentos de veículos na chegada ao porto”, observa a diretoria.

Na questão de segurança de cargas, o T-Grão implantou o sistema inédito de balanças automatizadas dedicadas a cada ponto de descarga, entrada e saída, possibilitando o total controle de recebimentos rodoviários e ferroviários. Tudo gerenciado por sistema autônomo de pesagem e emissão de tickets integrados ao SAP.

Meio ambiente – Com a intenção de mitigar fatores de risco ao meio ambiente e à comunidade, foram muitas soluções implementadas e outras em desenvolvimento.

Exemplos não faltam: investimentos em equipamento de varrição de grande porte; pavimentação asfáltica nas áreas de exposição a derrames de cargas para facilitar a limpeza; instalação de revolucionário equipamento norte-americano nos pontos de transferência de carga, resolvendo o problema de geração de excesso de particulados; instalação de aspersão de óleo vegetal controlado na linha de embarque, também para a redução de particulados; e substituição de equipamentos transportadores por outros de maior controle de emissões de particulado. São soluções já implantadas e quase todas inéditas.

Mais investimentos – Com a renovação do contrato de arrendamento no último mês de junho o T-Grão projeta seus próximos 20 anos com investimentos a serem realizados superiores a R$ 100 milhões.

Com essa visão, novas implantações estão projetadas para os próximos anos e que quebrarão paradigmas portuários.

Em implantação estão a instalação de equipamento inglês no shiploader e que sanará em definitivo qualquer possibilidade de geração de particulados no embarque dos grãos, sendo esse o maior conflito entre os terminais graneleiros do porto e a Cidade.

Criação de um ponto inédito de descarga dedicado a veículos auto descarregáveis, com fila preferencial, incentivando a descontinuidade da utilização de veículos não especializados em grãos e que demandam descargas muito mais poluentes e geram desperdícios e poluição com os usuais derrames nas vias públicas, por vazamentos.

Nessa linha, o T-Grão também está implantando a repotencialização da descarga ferroviária com ganho de 100% na atual capacidade, o que irá privilegiar o modal mais eficiente para esta movimentação e atingir mais de 70% das cargas recebidas nesse modal, contra pouco mais de 20% há quatro anos. Isso se traduz em redução significativa de caminhões nas vias da Cidade.

Seguindo a linha da melhor solução, o T-Grão trará para o Porto de Santos a tecnologia de movimentação de vagões em equipamentos elétricos de fabricação alemã, com zero emissão de CO2, baixo consumo energético e de ruídos. “Este projeto é inédito em portos brasileiros e será um marco para a substituição dos atuais equipamentos, grandes, pesados e poluentes”, enfatiza a diretoria.